domingo, 10 de janeiro de 2016

BATISMO DO SENHOR



Eu vos batizo com água, mas virá Aquele que é mais forte do que eu...Ele vos batizará no Espirito Santo e no fogo” (Lc 3,16)


A celebração do Batismo do Senhor nos exige um compromisso de liberdade, que muitas vezes, foi obscurecido por uma exacerbada religiosidade descomprometida com a prática do Evangelho. Os textos de hoje são absolutamente explícitos. O julgamento misericordioso das nações será vingado pelo servo eleito, amado e dileto. Não clama nem levanta a voz (...) Não quebra uma cana rachada nem apaga um pavio que ainda fumega, mas promoverá o julgamento para obterá verdade. Não esmorecerá nem se deixará abater, enquanto não estabelecer a justiça na terra”Para que não reste nenhuma dúvida, o profeta declara que a prática da justiça será abrir os olhos dos cegos, tirar os cativos da prisão e livrar do cárcere os que se vivem nas trevas. O livros de Atos nos assegura e alerta que “Deus não faz distinção entre as pessoas. Pelo contrário, Ele aceita quem O teme e pratica a justiça, qualquer que seja a nação a que pertença”O Evangelho nos desvela que o Batismo de Jesus não foi nada extraordinário. Quando todo o povo estava sendo batizado no Jordão se solidariza com os pecadores que buscam conversão. E por seu batismo na cruz extingue, pelo corpo entregue e sangue derramado, toda miséria do desamor cristalizada no pecado do mundo. Tudo o que acontece entre seu batismo e sua morte na cruz testemunha, com toda a sua visibilidade, o amor de Jesus. Nele, cumpriu-se o profeta Isaias:“Eis o meu servo, eu o recebo; eis o meu eleito, nele se compraz a minha alma; pus meu espirito sobre ele, ele promoverá o julgamento da nações” (Is 42,1)O Senhor inverte a realidade política: quem recebe o poder do julgamento de Deus é um Servo. Como Jesus, o Cristo, somos ungidos pelo Batismo para corrermos riscos e não para nos aninharmos numa vida medíocre e fútil que nos alienado mundo e nos encerra em redoma de autossatisfação religiosa. A exigência de uma conversão permanente é, provavelmente, mais difícil para nós cristãos, tantas vezes orgulhosos de nossas certezas e seguranças, do que para os outros. Talvez esteja mais perto de uma metanóia“quem não aceita uivar com os lobos, nem zurra com os asnos” (provérbio africano). Quem tem ouvidos para ouvir, ouça!

Nenhum comentário:

Postar um comentário