terça-feira, 8 de dezembro de 2015

ANO SANTO DA MISERICÓRDIA



Em março de 2015, na Basílica de São Pedro, o Papa Francisco anunciou a convocatoria do Jubileu Extraordinário da Misericórdia. O próprio Papa Francisco o justificava desta forma: "Anuncio um Jubileu Extraordinário da Misericórdia como tempo propicio para a Igreja, para que faça mais forte e eficaz o testemunho dos crentes", em um momento em que a Igreja vive um tempo de nova evangelização. Se trata de renovar o espírito do Concilio Vaticano II em seu quinquagésimo aniversario; já que com o Concilio "A Igreja sentiu a responsabilidade de ser no mundo sinal vivo do amor do Pai"; agora "A Igreja sente a necessidade de mantê-lo vivo".

Iniciará com a abertura da Porta Santa no Vaticano durante a solenidade da Imaculada Conceição, em 8 de dezembro de 2015. Finalizará em 20 de novembro de 2016, domingo em que se celebrará a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. Posteriormente, no terceiro domingo do Advento, se abrirá a Porta Santa da catedral de Roma, assim como a Basílica de São João de Latrão e sucessivamente se abrirá a Porta Santa nas outras Basílicas Papais.

Nesse domingo, se estabelece que cada Igreja particular abra, para todo Ano Santo, uma Porta da Misericórdia equivalente à Catedral, que é a Igreja Mãe para todos os fiéis, ou na igreja principal da cidade ou em uma igreja de significado especial ou santuário.

Jubileu, portanto, será celebrado em Roma e também nas Igrejas do resto do mundo como sinal visivel da comunhão de toda a Igreja.

O lema deste ano santo jubilar é "MISERICORDIOSOS COMO O PAI". O próprio Papa Francisco disse que "es meu vivo desejo que o povo de Deus reflita durante o Jubileu sobre as obras de misericordia corporais e espirituais". Redescobrir as obras de misericórdia corporais:
·        dar de comer a quem tem fome, dar de beber a quem tem sede, vestir os nus, acolher os peregrinos, visitar os enfermos, visitar os encarcerados, sepultar os mortos. E as obras de misericórdia espirituais:
·        Aconselhar os duvidosos, ensinar os ignorantes, admoestar os pecadores, consolar os aflitos, perdoar as ofensas, suportar pacientemente as pessoas incômodas, rezar a Deus pelos vivos e pelos mortos
Durante este ano, os fiéis que irão atravessar a Porta Santa com a possibilidade de adquirir a indulgência plenária. Sem contudo, o Regente da Penitenciária Apostólica, bispo KrzysztofNykiel, recordou que overdadeiro perdão chega com a Confissão: «Durante o Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o confessionário será a Porta Santa da alma. E a celebração do sacramento da Reconciliação será a ocasião para um encontro vivo e verdadeiro com Cristo Misericordioso».

O prelado assinalou que este Jubileu será um ano propício para redescobrir a centralidade do sacramento da Confissão na vida da Igreja: «Todo o que queira experimentar a alegria de sentir-se acolhido e amado por Deus deverá, com efeito, aproximar-se do confessionário, porque principalmente através deste sacramento, Deus se manifesta ao homem como Pai que não se cansa nunca de perdoar e de salvar».

Por ele –afirmou Mons. Nykiel– «todos os peregrinos que cheguem a Roma para obter a indulgência plenária, deverão passar através da Porta Santa da Basílica de São Pedro, porém, para que o fiel obtenha a absolvição dos pecados e experimente a alegria do perdão de Deus, deverá passar através das portas do confessionário»

Durante o Ano Santo, o Papa Francisco enviará por todo o mundo aos «missionários da misericórdia», sacerdotes coma autoridade para perdoar também «os pecados que estão reservados à Santa Sé», quer dizer: «pecados que comportam a pena automática da excomunhão cuja remissão está reservada à Sede Apostólica», e que portanto necessitam ser submetidos geralmente ao juízo da Penitenciária Apostólica para ser absorvidos, como:
·        a profanação da Eucaristia; a violação do segredo de confissão; a consagração do Bispo sem autorização; e a ofensa ao Pontífice. Também o pecado do aborto, que implica a excomunhão, porém, que não está reservada à absolvição à Sede Apostólica e sim ao bispo ou um delegado seu.

Sobre as «condições» para absolver destes pecados são as mesmas que se pedem para a absolvição de outros pecados, quer dizer «o arrependimento e o desejo de recomeçar na vida cristã».

Os missionários da misericórdia estarão presentes em todas as dioceses como "sinal vivo de como o Pai acolhe a todo aquele que busca o perdão".


É realmente providencial e da máxima importância, pois a confissão –dizia o venerável bispo TihamérTóth– «é benção não somente para o individuo, e sim também para a sociedade. O síntoma mais alarmante do homem de nossos dias é precisamente que tem obscurecido nele a consciência do pecado e se tem debilitado o desejo de purificação".

Nenhum comentário:

Postar um comentário