segunda-feira, 28 de abril de 2014

VIGÍLIA PASCAL





 

VIGILIA PASCAL E SEUS SIMBOLOS (19/4/2014)


“Eu sou o Alfa e Ômega, o Primeiro e o Último, o Principio e o Fim”(Ap 21,13;1,8)


 


O simbolismo fundamental da celebração litúrgica da Vigília é o de ser uma "noite clara", ou melhor, «a noite que brilha como o dia e a escuridão é clara como a luz»


 


CÍRIO PASCAL: Tradicionalmente era confeccionada em cera pura de abelha. Em nossos dias já não se exige e nem e segue esta tradição. Se nome CÍRIOvem exatamente por ser feita de cera. O Círio se chama “PASCAL” porque é usado e aceso em todo o tempo Pascal. O tempo Pascal que vai desde a Vigília Pascal até o domingo de Pentecostes. Os desenhos no Círio:


·        CRUZ: em geral de cor vermelha, cor do sangue derramado na cruz. Foi o preço pago por Jesus para o resgate e salvação da humanidade, bem como para reconciliação da mesma com Deus. Ao traçar a cruz sobre o Círio o presidente diz: Cristo, ontem e hoje (na vertical), Principio e Fim (na horizontal)


·       
ALFA E ÔMEGA: as duas letras do alfabeto grego no alto e embaixo da cruz. Jesus Principio e Fim”. Ele é a finalidade, o objetivo último de todas as pessoas e coisas;


·        O NÚMERO DO ANO EM CURSO gravado no Círio é a afirmação que Jesus está vivo, ressuscitado, caminha como Bom Pastor no meio do seu povo para conduzi-lo pelos caminhos da verdade, na busca do Pai. Ao cravar o número do ano em curso o presidente diz: (nº 2) “A Ele o tempo, (nº 0) e a eternidade, (nº 1) a glória e o poder (nº 4) pelos séculos. Amém.

·        OS CINCO GRÃOS DE INCENSO são afixados na cruz, uma no alto, outra no centro, outra embaixo e as outras duas nos dois braços da cruz, simbolizam as cinco chagas de Jesus. Chagas que fora dolorosíssimas, mas que agora são gloriosíssimas. Ao fixar os grãos de incenso, o presidente diz: (Al alto da cruz) “Por suas santas chagas, (no centro) suas chagas gloriosas, (embaixo) O Cristo Senhor (à esquerda) nos proteja, (à direita) e nos guarde. Amém.

·        ACENDER O CÍRIO para ter pleno simbolismo o Círio Pascal precisa estar aceso. A sua chama de fogo e luz tem um significado profundíssimo. A grande chama de fogo e luz simboliza exatamente a fortíssima iluminação da fé causada pela ressurreição de Jesus. Como nos diz São Paulo: “Se Cristo não tivesse ressuscitado, vã seria nossa fé” (I Cor 15,14). Se Jesus não tivesse ressuscitado, não teríamos a prova definitiva de que Ele é o Messias, Salvador, o Enviado do Pai. Ao acender o Círio com o fogo novo o presidente diz: “A luz de Cristo que ressuscita resplandecente, dissipe as trevas do nosso coração e da nossa mente”.

 

PREPARAÇÃO DO CÍRIO PASCAL: A grande celebração da noite santa da Vigília Pascal se inicia com a BÊNÇÃO DO FOGO NOVO, fora do recinto da Igreja.

·        FOGO NOVO Em tempos passados uma pessoa experiente tomava duas pedras duríssimas, batia uma contra a outras de raspão, a fim de produzir faíscas e com elas, conseguir o fogo necessário para acender a fogueira.

Esta ação tem um significado bastante profundo: Jesus foi sepultado numa tumba escavada na rocha. Seu corpo foi colocado e lacrado dentro da rocha. Na manhã da ressurreição, Jesus saiu da rocha vivo, ressuscitado, vitorioso e glorificado. ELE, JESUS, RESSUSCITADO É O GRANJDE FOGO, A GRANDE CHAMA DO FOGO QUE TENDO SAIDO DA ROCHA BRILHA NAS TREVAS DO MUNDO, ILUMINA A TODOS AQUELES QUE NELE CRÊEM.   

            Este fogo novo (tirado da rocha...), fogo novo da Páscoa, fogo que queima, ilumina e aquece, recebe uma bênção especial antes de acender o Círio Pascal. Jesus também recebe a gloriosa benção da ressurreição de seu corpo. É com uma chama do fogo novo que o Círio é aceso.

 

INTRODUÇÃO DO CÍRIO NA IGREJA: terminada a preparação do Círio Pascal,
inicia-se a procissão para introduzi-lo na Igreja. Ao iniciar a procissão do Círio Pascal, apagam-se todas as luzes da Igreja para deixar o ambiente completamente escuro. A IGREJA TODA ESCURA SIMBOLIZA O MUNDO EM TREVAS, O MUNDO SEM DEU, SEM JESUS, SEM O EVANGELHO. NESTA ESCURIDÃO DO MUNDO SEM DEUS BRILHOU E BRILHA UMA ÚNICA LUZ VERDADEIRA: A LUZ DE JESUS RESSUSCITADO, SIMBOLIZADA PELA LUZ DO CÍRIO PASCAL. É exatamente para expressar esta realidade que o presidente leva o Círio Pascal aceso para dentro da Igreja escura, a fim de iluminá-la.  

            No inicio do corredor, no fundo da Igreja, o Círio é elevado e apresentado aos fiéis reunidos, através do canto: “Eis a luz de Cristo”. Ao ouvirem o anúncio solene, os fiéis voltam-se para o Círio, ajoelham-se e cantam: “Demos graças a Deus”. Todos permanecem por uns instantes ajoelhados, adorando a Jesus Ressuscitado, simbolizado no Círio. Ato seguido, é acesa uma vela no Círio e as velas da assembléia são acesas, para significar que crêem, aceitam e querem viver na Luz de Jesus.

            Caminhando em direção ao altar mais uma vez é feito o anúncio pelo presidente e todos os fiéis estarão com suas velas acesas, para significar que a fé em Jesus se alastra, vai tomando conta do ambiente e penetra em cada coração para iluminar suas vidas. Aos poucos, à luz das velas, a Igreja, antes Às escuras vai se iluminando. À medida que a luz avança, as trevas se dissipam. À medida que Jesus é anunciado e aceito, as trevas do  mundo desaparecem dos corações das famílias e da sociedade.

            Por fim, em frente ao altar, o presidente faz o terceiro anúncio, ao qual todos respondem como das outras duas vezes anteriores. Acendem-se todas as luzes da Igreja.

            O presidente coloca o Círio em um pedestal e o incensa para significar a adoração que os fiéis presentes prestam ao Ressuscitado.

               Logo a seguir canta-se o grande anúncio da Ressurreição de Jesus: O EXULTET (Exulte de alegria...) 

            Este hino de louvor, em primeiro lugar, anuncia a todos a alegria da Páscoa, alegria do céu, da terra, da Igreja, da assembléia dos cristãos. Esta alegria procede da vitória de Cristo sobre as trevas.

            Em seguida é proclamada a grande Ação de Graças. Seu tema é a história da salvação resumida pelo poema. Uma terceira parte consiste em uma oração pela paz, pela Igreja por suas autoridades e seus fiéis, pelos governantes das nações, para que todos cheguem à pátria celestial.

 

A LITURGIA DA PALAVRA: Nesta noite a comunidade cristã se detém mais do que o normal na proclamação da Palavra. Tanto o Antigo como o Novo Testamento falam de Cristo e iluminam a História da Salvação e o sentido dos sacramentos pascais. Há um diálogo entre Deus que se dirige ao seu Povo (as leituras) e o Povo que Lhe responde (Salmos e orações).

            As leituras da Vigília têm uma coerência e um ritmo entre elas. A melhor chave é a que nos deu o próprio Cristo: "...e começando por Moisés e por todos os profetas, os interpretou (aos discípulos de Emaús) em todas as Escrituras o que a ele dizia respeito"(Lc 24, 27)

            

            Desejo que este artigo ajude você a ter uma maior participação na Vigília Pascal, de forma mais consciente e profunda a cada passo da celebração. De maneira especial da benção do fogo novo, da preparação do Círio, bem como do solene canto que anuncia a Ressurreição de Jesus, e assim viver as graças deste tempo maravilhoso que Deus nos oferece, pois como nos diz o Papa Francisco “a ressurreição de Jesus não é o final feliz de uma linda fábula, mas a intervenção de Deus Pai, quando toda a esperança humana já tinha desmoronado. E também nós somos chamados a seguir Jesus por este caminho de humilhação”.

 

            FELIZ E SANTA PASSAGEM PARA VOCÊ TODA SUA FAMILIA

 
                                                           Diác. Flori

Nenhum comentário:

Postar um comentário