segunda-feira, 17 de março de 2014

NOSSA SEXUALIDADE E AFETIVIDADE



 


ALGUNS ELEMENTOS DA ANTROPOLOGIA SEXUAL


         Falar em afetividade e sexualidade é estar atento a alguns elementos fundamentais:

   1)O nosso corpo é organismo autônomo, vivo, dinâmico, em crescimento perpétuo. Ele constitui a minha presença no mundo, Não tenho corpo, mas sou corpo que cheira, sente, olha, vibra... Mais, somos templo do Espírito Santo; somos imagem e semelhança de Deus... Portanto o corpo é muito mais do que objeto a ser explorado ou força de trabalho a ser manipulado. Ele é sujeito, é mediação e tem sentido,

     2) O corpo define o ser no mundo. A diferenciação sexual (homem ou mulher) define a maneira de ser. O ser humano é sexuado na totalidade do seu ser, o que manifesta que não está fechado em si, mas para o outro. Como abertura e comunhão, a sexualidade é criadora do ser: de mim e do outro; também pode ser fechamento e exploração do outro.

     3) Há no ser humano uma fome de comunhão, Como homem ou como mulher, mora em nós a pulsão sexual, que é a vontade, o desejo de dois seres se encontrarem. A pulsão sexual traz consigo esta necessidade de comunhão.

     4) O desejo sexual, como desejo do outro, é busca do prazer, vontade de procriação, e busca de união. Há a necessidade de unidade e complementaridade, o apelo de ser e a busca da plenitude. Somos para amar.

     Nascemos homem ou mulher, mas o masculino e feminino devem ser construídos em nós, o que exige esforço, renúncia, recomeço, perseverança, aceitação, festa. A criação não é só ato do passado, mas processo contínuo e continuado. Ao criar o ser humano, Deus revela o valor infinito da afetividade, da amizade e da ternura. E alguém que não tem um apreço a sim e de seu corpo, dificilmente tratará bem os outros e a si mesmo.

       No ser humano existem e coexistem dinamismos fortes, que fazem parte de sua personalidade:

1-AMAR: Deus é Amor. Fomos criados à sua imagem e semelhança.

 2-CONVIVER: Nós nos realizamos na relação com os outros no mundo, no amor

3- EDUCAR: Estamos na escola da vida. Somos alunos e professores.

        A sexualidade é energia solta por todo o corpo, que busca significação. Deve ser integrada na dinâmica do crescimento e do amadurecimento das pessoas em comunhão com os outros e o OUTRO. As pulsões estão tentadas para o egoísmo, o auto - erotismo, principalmente quando nos fechamos ao outro e ao mundo, Uma pulsão que se orienta para o outro, gera comunicação, torna-se gesto. O apóstolo Paulo, compreendeu bem que com as pulsões não se brinca: ”Não faço o bem que quero, mas o mal que não quero”. (Rm 7,15)

       Os desejos sexuais devem ser educados com jeito, numa perspectiva de valores e num espírito de liberdade. A educação se impõe como tarefa humanizadora e libertadora. Necessário se faz acolher os desejos e não destruí-los, nem reprimi-los. O desafio que se propõe para nós é aceitarmos que em nós existe esta realidade energética, mas que ela não é absoluta, que esta energia deve ser evangelizada na busca da maior integração, no amor para a vida fraterna.
      

                Vejamos alguns traços que apontam para pessoa mais ou menos integrada:

1-Contemplativa: É pessoa que não tem medo da solidão como abandono, como momento de se encontrar consigo mesma: ela sabe ficar só.

 2-Autocrítica: Não é arrogante de si nem se veste com falsa modéstia. Tenta ser realista e verdadeira consigo mesma.

3-Humilde: Não é auto - suficiente e sabe ser ajudada; deixa-se ajudar.

4-Realista: Vive com os pés no chão, Não se engana nem vive de ilusões.

5-Segura: É tranqüila internamente e sabe em que e em quem está sua confiança.

6-Tranqüila: Não se descontrola e não vive cheia de ansiedades

7-Ativa: Não é queixosa nem se deixa vencer, vive alegremente sua vida.

8-Criativa: Sabe assumir iniciativas, novas maneiras de ser e amar.

9-Flexível: Não é rígida, nem formal, Sabe discernir, buscado o melhor.

10-Serviçal: Não é meramente receptiva: sabe doar-se e de forma gratuita.

11-Solidária: Não precisa competir Dá valor ao outro como outro.

12-Terna: Não é de reações emocionais descontroladas. É delicada, quando firme.

13-Audaciosa: Sabe arriscar sem ser, contudo, temerária.


                A sexualidade humana é potencial de encontro/ É dinamismo de abertura, de comunhão e de criatividade. Dom a ser acolhido e a ser cultivado. Pode-nos libertar como também nos fechar, dominar e alienar. É ambígua, e, como tal, é tarefa para a liberdade.
 

PARA REFLETIR EM GRUPO
1-O que mais chamou atenção neste texto de estudo?
2-O que tem a ver com a sua vida e com a nossa?
3-Como vivenciamos a afetividade e a sexualidade?
4-Como a sociedade encara ou “comercializa” essas duas realidades?
5-Que dúvidas, perguntas, dificuldades tenho no campo da afetividade e sexualidade?

                 Meu corpo é sagrado - o essencial na vida do homem e da mulher é o espírito e o coração.

Cuidados que devemos ter com nosso corpo:

estudar com iluminação (vista);

alimentar-se bem, sem exagero;

dormir o necessário (nem mais, nem menos);

higiene pessoal;

ginástica e esporte;

bons  modos, valorizando o próprio corpo... também nos trajes;

repouso mental; oração (dar um tempo).

 Prejuízos ao nosso corpo:

comer até estragar a saúde;

beber até perder o equilíbrio e a razão;

usar o corpo só para prazeres sexuais;

ter vícios, como fumo, álcool, drogas;

trabalhar demais;

não se preocupar com a  saúde.

 

 Iluminação da fé: I Cor 6,12-20

 

CONSAGRAÇÃO DO CORPO
    Senhor, Tu me deste um corpo. Um corpo que me ajuda a cumprir minha missão na terra. Pelo Batismo fui consagrado a Ti. Renovo hoje minha consagração. Coloco este meu corpo à Tua disposição.
    Dá-me domínio sobre ele. Que seja sempre instrumento para o bem. Dá-me um corpo resistente para o trabalho, capaz de enfrentar momentos difíceis, sempre para o serviço do irmão.
    Senhor, que o meu corpo seja a casa onde Tu possas morar. Amém.

   

          

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário