sábado, 25 de maio de 2013

SOLENIDADE DA SANTISSIMA TRINDADE


..enchei-vós do Espirito Santo, entoai juntos samos, hinos e cânticos espirituais...sempre e por toda as coisas, no Nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, rendei graças a Deus que é Pai” (Ef 5,18-20)



 
A celebração da Santíssima Trindade completa o Tempo Pascal, levando-nos de forma pedagógica a intuir a verdade da comunhão divina. Sustendado pela fé num Deus-comunhão, a Igreja é chama a ser sacramento de comunhão. Por essa razão, Ela é convidada a superar toda forma de automatismo e de imposição de uns sobre os outros, buscando a unidade na diversidade, atarvés de um diálogo e do discernimento.

  A melhor Comunidade...

Desde pequenos, aprendemos de nossos pais a fazer o sinal da cruz e chamar a Deus: de Pai, Filho e Espírito Santo. Assim com toda a naturalidade, estávamos invocando o mistério mais profundo de nossa fé e da vida cristã: o Mistério da Santíssima TRINDADE, cuja festa hoje celebramos.

Mais tarde, na catequese, nos apresentaram o mistério da Trindade como um exemplo clássico de coisa incompreensível. "É um mistério"!...
 



 O que é um Mistério?

- Na natureza, existem muitos mistérios que hoje não conhecemos e que um dia poderão ser desvendados.

- Em Deus, o mistério nunca poderá ser totalmente compreendido, pela grandeza de Deus e pela nossa pequenez...mas podemos e devemos crescer no conhecimento desse mistério.

O que é então a Trindade?

A Santíssima Trindade é o Mistério de um só Deus em três pessoas.

É uma comunidade de amor vivida pelo Pai, pelo Filho e pelo Espírito Santo. Deus, como nos ensina São João, é Amor.

E o amor é, ao mesmo tempo, três e um: aquele que ama, aquele que é amado e o amor entre os dois.

- Ao "Amor amante", nós chamamos de PAI;

- ao "Amor amado", de FILHO;

- ao "Amor que circula entre os dois e os abre para o mundo e a humanidade", ESPÍRITO SANTO

As Leituras deste domingo nos ajudam a entender melhor esse tema central da fé:
 





- A 1a Leitura fala do PAI e da sua obra criadora. Põe em ação seu projeto: cria o universo com "Sabedoria" e Amor... (Pr 8,22-31)

 



- A 2a Leitura apresenta a obra do FILHO. Através dele Deus-Pai derrama sobre nós os seus dons (a paz, a esperança, o amor de Deus) e nos oferece a vida em plenitude. (Rm 5,1-5)
 



 
- A 3a leitura esclarece a missão do ESPÍRITO SANTO: completará a obra do Pai e do Filho, para que possamos aderir plenamente ao projeto do Pai e à obra salvadora do Filho.  (Jo 16,12-15)

 + O Código do Catecismo da Igreja Católica afirma:

   "Deus deixou vestígios desse mistério na Criação e no Antigo Testamento,    mas a intimidade de Deus Trindade constitui um mistério inacessível à inteligência humana e até mesmo à fé de Israel... Esse mistério foi revelado por Jesus Cristo e

    é a fonte de todos os outros mistérios". (CCIC 45)

CRISTO nos revelou claramente essa verdade:


- Fala constantemente do PAI:

    - Felipe: "Mostra-nos o Pai..." (Jo 14,8); Jesus: "Felipe... quem me vê, vê o Pai". (Jo 14,8)

    - "Quem observa os meus mandamentos... o Pai o amará... e viremos nele e faremos nele morada..." (Jo 14, 23)

    - Ensina a Rezar: "Pai Nosso..." (Lc 11,1 ss)                                       

- Promete muitas vezes o ESPÍRITO SANTO:

  "Quando vier o Espírito da Verdade, ele vos conduzirá à plena Verdade" (Jo 16,13)

 
* Quando se despede, no dia da Ascensão, afirma:

   "Ide... e batizai em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo." (Mt 28, 19)

 
+ Por que Jesus nos revelou? Para nos deixar mais um problema? Não...

 - É um gesto de amor e de amizade:

  A gente revela os segredos de sua vida íntima a quem confia... a quem ama...

   Porque Deus nos ama, quis revelar os segredos de sua vida íntima...

 - É um convite a também viver em comunhão... em comunidade...

  "Pai, que todos sejam um, como eu e tu somos um..." (Jo 17,11)

  A Trindade é o modelo da comunidade sonhada por Deus.

 + A FESTA DA TRINDADE:

 



  - Não é apenas uma oportunidade para falar da Trindade e compreender e decifrar essa estranha charada de "Um em Três"...

   - É um convite para contemplar Deus,

    que é amor, que é família, que é comunidade e que criou os homens para os fazer comungar nesse mistério de amor. 

    Deus não é um ser solitário que vive sozinho perdido no infinito.

O princípio do Amor é o Pai.

Sua realização concreta está no Filho Jesus.

A perpetuação desse amor é o Espírito Santo.

  - É a festa da COMUNIDADE.

    As Comunidades cristãs devem, ser a expressão desse Deus, que é amor,    que é comunidade, vivendo numa experiência verdadeira de amor, de partilha,    de família, de comunidade... pois a Trindade é a melhor das comunidades.


   - É a festa do BATISMO, que nos tornou participantes da vida da Trindade.

     Hoje somos chamados a renovar nosso compromisso batismal para sermos reflexos da Santíssima Trindade, sinais de comunhão.

      Quanto mais nos esforçamos para viver em comunhão, de partilha e de esperança num mundo tão dividido, individualista e desesperançado, melhor entendemos o Mistério da Santíssima Trindade.
 

              Fonte:  Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 26.05.2013

  

TRINDADE




Dinâmica sobre a Trindade


Falar sobre a Trindade é fácil, difícil é compreender e fazer compreender sobre a questão da unidade das Três Pessoas em um único Deus.

Por isso, para ajudar na compreensão dessa verdade da fé, muitos catequistas procuram uma forma de explicar a Trindade.

Foi buscando uma solução para o meu encontro de Catequese sobre a Trindade que tive a inspiração de usar a água para essa finalidade. Agora repasso a vocês a dinâmica que apliquei e que deu resultados.

Preparação:

Vamos precisar de algumas vendas para os olhos; e água pura, nos seus três estados: líquida, sólida e gasosa. Isto é, vamos precisar de uma jarra com água pura, uma vasilha com gelo e uma chaleira com água fervente (de preferência sobre um fogareiro elétrico ligado, para que o vapor saia pelo bico da chaleira todo o tempo). Tudo isso só será colocado diante da turma depois que alguns catequizandos forem vendados.

No Encontro:

Após iniciar o encontro com o sinal da cruz e a oração do Creio, perguntar aos catequizandos qual o entendimento que têm sobre a Trindade, o Pai, o Filho e o Espírito Santo que são um só Deus, deixando que falem livremente.

Em seguida, vendar alguns catequizandos que queiram e pedir que coloquem as mãos para trás. Pegar a jarra e aproximá-la deles, sem encostar. Dizer-lhes que diante deles há algo que terão que reconhecer sem tocar, primeiro pelo cheiro. Eles certamente não conseguirão identificar nenhum cheiro. Em seguida oferecer um copo com a água e perguntar qual é o sabor. Aí certamente alguns dirão que é água, mas você deve insistir em saber qual o sabor, mostrando que só sabem que é água porque fizeram a experiência sensorial e não pelo seu sabor. Depois, retirar a venda dos olhos e perguntar qual é a cor da água, mostrando que como ela não tem cor, só conseguimos vê-la porque está dentro da jarra. Colocar a água em recipientes de formas diferentes, mostrando a eles que ela se adapta ao recipiente, mas nunca toma a sua forma, só é possível pegar a água recolhendo ela em algum recipiente ou na concha das mãos. Somente sabemos que aquele líquido é água fazendo a experiência sensorial de senti-la quando bebemos ou quando colocamos a mão nela ou a contemos em uma vasilha.

A partir dessa dinâmica, explicar que Deus Pai é assim, ele só pode ser sentido e experimentado, jamais podemos vê-lo, ouvi-lo ou pegá-lo para nós. Somente sabemos de sua existência pela experiência de fé.

Ai então, pegar a vasilha com gelo e perguntar o que é. Todos vão dizer que é gelo, mas insistir sobre a essência do gelo, do que o gelo é feito. Diante da resposta água, mostrar que nesse estado podemos pegar a água, pois ela ganhou corpo. Continua a ser água, mas agora se apresenta de outro jeito, ganhou uma forma que lhe dá corpo. Ela não se adapta mais a todo recipiente, mas somente àquele onde foi congelada, e agora podemos ver e pegar. Fazer a comparação com Jesus, Deus que assume a vida humana, que pode ser visto e quem tem corpo humano. A humanidade é o recipiente que deu forma a Deus Filho.

Por último, vendá-los novamente e colocar a água na chaleira e esta sobre o fogareiro elétrico. Aguardar que a água abra fervura. Colocá-los diante dela, o suficiente para que possam esticar as mãos acima dela e sentir o vapor quente (tendo o cuidado de não deixar que se aproximem demais e possam se queimar). Pedir que digam o que estão sentindo, e o que está provocando essa sensação. Retirar a venda dos olhos e mostrar que é a mesma água, porém que, levada ao fogo ela se aqueceu e se tornou vapor, que eles podem sentir e que os aquece. Fazer a comparação com o Espírito Santo, que é como o vapor quente que nos aquece o coração.

Para concluir o encontro, ler as seguintes passagens do Evangelho de João 14, 9-17 e 17, 5. 18-21.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

ESCOLA DE FORMAÇÃO NA FÉ COM ADULTOS




ESCOLA DE FORMAÇÃO NA FÉ COM ADULTOS
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA:
 5º MÓDULO: TEMA: “BATISMO: REVESTIR-SE DE CRISTO” (22/5/2013)
 “Vós que fostes batizados em Cristo, vos revestistede de Cristo” (Gl 3,27)

ORAÇÃO DE PENTECOSTES
ESPÍRITO SANTO,
uma vez que desejo sua vinda,
suplico-te faças em mim três coisas.

Com teu amor torna-me forte
Contra o mal
E disposto a todo bem.
Liberta-me de todo o temor humano
... e faze que, por amor a Deus,
eu acolha com alegria toda adversidade.
Peço-te ainda,
Que me concedas o perdão dos pecados.
E concede-me que,
consumido pelo fogo do amor divino,
eu mergulhe em Deus
e, nesta feliz união, me torne semelhante a Ele.

ESPÍRITO SANTO
Inebria-me com o vinho de teu amor,
que produzirá em o esquecimento de mim mesmo
e o desprezo de toda honra
e de toda vantagem
que não tenham em vista a glória de DEUS

Enche o meu coração da Tua suavidade,
De tal modo que nenhuma alegria,
nenhum prazer terreno
possam jamais satisfazer-me.
Inflama-me com o amor
ds coisas celestes e espirituais,
de modo que aspire a DEUS co todo o coração
e não tenha mais temor nem da morte,
nem de nenhum sofrimento.

Santa Matilde (1231-1298



RECORDAR...
LITURGIA É O AMOR DE DEUS QUE SE MANIFESTA EM AÇÃO QUE TEM INICIO COM A CRIAÇÃO, CONCRETIZA-SE COM A ENTREGA DE JESUS NA CRUZ E SE PLENIFICA COM O ENVIO DO ESPÍRITO SANTO: “O AMOR DE DEUS FOI DERRAMADO EM NOSSOS CORAÇÕES PELO ESPÍRITO SANTO QUE NOS FOI DADO” (Rm 5,5)

Por isso:
LITURGIA É FESTA QUE NÃO TEM FIM

O ÁPICE E A FONTE é a EUCARISTIA, mas se estende para todos os sacramentos, que NÃO SÃO APENAS UM RITO HISTÓRICO, MAS ATUALIZAÇÃO DO MISTÉRIO PASCAL DE CRISTO

Mas o que é SACRAMENTO? Vejamos...

QUAL A NOSSA EXPERIÊNCIA SACRAMENTAL DE DEUS?
Não temos uma experiência e um conhecimento direto de Deus: “A Deus ninguém jamais viu” ( I Jo 4,12). Quando Moisés pede a Deus “que mostre a sua face” (Ex 3,18), Deus nos mostra que, na caminhada desta vida, só o “veremos pelas costas” , depois de termos passado pelos sinais que Ele deixa (Ex 33,18-23). Em outras palavras só temos um conhecimento mediato, indireto sacramental de Deus. Na eternidade, sim, “o veremos face a face, assim como Ele é” (Mt 5,8; I Jo 3,2;I Cor 13,12).
Mateus 5,8: “Felizes os puros de coração porque verão a Deus”

I João 3,2: “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que havemos de ser, mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, pois o veremos como Ele é”

 I Corintos 13,12: “Agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho; mas, então, veremos face a face. Agora conheço em parte; então, conhecerei plenamente, da mesma forma com que sou plenamente conhecido”

Deus é invisível, mas, para poder se comunicar com os homens, Ele se torna sinal. Ele se faz presente na “sarça ardente” (Ex 3,1-6), na forma de uma “brisa suave” (I Rs 19,13) ou “num fogo devorador que consumiu o sacrifício”... Deus manifesta sua presença de mil modos diferentes, assim como no dia a dia nos deparamos com muitos sinais para manifestar um sentimento. Você já sentiu num aperto de mão, o calor de uma amizade sincera?Você já experimentou o amor de alguém no presente de uma flor, ou de um sorriso, ou de um carinho? Você já desejou uma palavra amiga a alguém que está precisando? Um aperto de mão, uma flor, um sorriso, um carinho, uma palavra amiga são sinais indispensáveis para alguém se comunicar conosco, para nos tornar presentes na vida dos outros, para celebrar a amizade, o amor, alegria e a tristeza, a fé e a esperança, tudo! E vejam uma flor oferecida a uma pessoa que a gente ama, não só pressupõe, significa e celebra um amor, ou amizade que já existe, mas também, esta, produz amor. AQUELA FLOR CONTÉM AMOR E PRODUZ AMOR! Assim é a nossa comunicação com Deus, a celebração do nosso amor, nossa fé, nosso compromisso para com Ele: precisamos de sinais. Também Deus para se comunicar conosco e manifestar sua presença, seu amor e sua ação em nossa vida, quis precisar de sinais. Estes sinais, com que celebramos a presença e ação de Deus em nossa vida e o nosso amor para com Ele, chamam-se sacramentos.
TUDO É NOTÍCIA DE DEUS. É UM TOQUE DE DEUS NA VIDA DA GENTE
      Todas as coisas que existem lembram Deus: vegetais, flores, astros, seres vivos, pessoas.
Tudo é um sacramento=sinal de Deus pela beleza que têm harmonia, perfeição, unidade...Tudo o que podemos ver é revelação da Graça e Amor de Deus, que se REALIZA EM PLENITUDE NA PESSOA DE JESUS CRISTO: “Na plenitude dos tempos, Deus envia seu Filho nascido de uma mulher” (Gl 4,4)

JESUS CRISTO: PERFEIRO SACRAMENTO DO PAI
Ele, JESUS CRISTO, nos revela Deus em plenitude, tal qual, Ele é: PERDÃO, AMOR, MISERICÓRDIA, BONDADE, JUSTIÇA, FRATERNIDADE, UNIDADE, PAZ, VERDADE, BELEZA, VIDA, PERFEIÇÃO, PARTILHA... por isso Ele diz: “Quem me vê, vê o Pai” (Jo, 14,9)
E o sonho do Pai é que o Reino de Deus se estabeleça entre nós, isto é, que todos se sintam filhos e filhas de Deus, irmãos e irmãs  uns dos outros: Reino da vida, da liberdade, da justiça, da paz, da dignidade, e da cidadania, do perdão, da misericórdia, da fraternidade, da humildade e da gratuidade. da obediência filial e consciente à vontade de Deus. Um Reino bem diferente dos outros.
O Reino acontece na contramão da sociedade consumista, da elite, e marcada pelo superficialismo nas relações 
Foi o fio condutor de toda a vida de Jesus. Jesus organizava seu tempo, articulava suas energias, decidia suas andanças em função do Reino de Deus. Suas relações, seus sentimentos, suas opções tinham a marca registrada do Reino. Portanto é necessário ler o Evangelho para conhecer Jesus, sua missão e através dele o Pai: ”Eu sou o caminho, a Verdade e a Vida, ninguém vai ao Pai, senão por Mim” (Jo 14,6).
Por isso Jesus é para nós o “sacramento-sinal - primordial de Deus”. Deus destinou Jesus como mediação para chegarmos a Ele: ”Ninguém vai ao Pai, senão por Mim”. É isto que Paulo afirma quando escreve: ”Não há mais que um Deus, e mais que um mediador entre Deus e os homens, um homem, o Messias Jesus”(I Tm 2,5)
Cristo ressuscitado dá o Espírito Santo aos apóstolos, e confia-lhes o seu poder de santificação. Através dos apóstolos, e de seus sucessores, a Igreja, Corpo e Cristo, prolonga no tempo e no espaço a presença salvadora e libertadora de Jesus entre os homens: ”Eu estarei com vocês, todos os dias, até o fim dos tempos”(Mt 28,20), sobretudo nas celebrações dos sacramentos


  Cristo é o Sacramento - Fonte, já que nesta fonte beberam os apóstolos e bebem todos aqueles que
hoje seguem celebrando os sacramentos e recebem os sacramentos da Igreja. Quando afirmamos com o Concílio Vaticano II que Cristo é “o sacramento primordial” de Deus, não apenas entendemos que os sacramentos provêm de Cristo, mas também que o agente primeiro e fundamental em cada sacramento é Deus por meio do Cristo, na força do Espírito Santo, isto é, podemos dizer que quando alguém batiza, é Cristo quem batiza; quando alguém absolve, é Cristo que está absolvendo,quando um sacerdote celebra a Eucaristia, é Cristo que repete as palavras da Última Ceia, e transforma o pão e o vinho em seu corpo e sangue.

SACRAMENTO NÃO É META, MAS ENCONTRO COM CRISTO
 1-Só tem sentido receber sacramentos à medida que Cristo tem sentido em minha vida.
2-Recebo os sacramentos para me tornar um sacramento, sinal, testemunho de Cristo no mundo.
3-Mais importante do que o rito histórico é o sacramento vivido no dia-a-dia.
4-Sacramento é festa que não tem fim


A FÉ É O FUNDAMENTO
SACRAMENTOS DE INICIAÇÃO:
A palavra iniciação significa "levar para dentro", que causa modificação, transformação e mudança total na vida da pessoa.
SACRAMENTO=SINAL
BATISMO:SINAL de minha adesão ao projeto de Deus
CRISMA: SINAL da maturidade na fé e testemunho
EUCARISTIA: SINAL de vida de comunhão com Deus e os irmãos

BATISMO: Aquilo que nasce da carne é carne, e aquilo que nasce do Espírito é espírito. Não te admires por Eu te ter dito: Vós tendes de nascer do Alto”.(Jo 3.6-7)
“Segue-me” (Jo 21,19)  
CRISMA: “E recebereis o dom do Espírito Santo que virá sobre vós, para serem minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judéia, Samaria, e até os confins da terra” (At 1,8)
 EUCARISTIA: “Tomai...Comei... Fazei isto em minha memória” (Lc 22,7-14)
“Felizes os convidados para o banquete do Cordeiro” (Ap 19,11)

EM QUE CONSISTE O PRIMEIRO PECADO DOS HOMENS?
“O homem tentado pelo diabo, deixou que apagasse em seu coração a confiança em relação ao seu Criador e, desobedecendo-O, quis tornar-se “como Deus” viver sem Deus e não segundo Deus (Gn 3,5). Assim, como Adão e Eva perderam imediatamente para si e para todos os seus descendentes a graça da santidade e da justiça originais”

EIS O PECADO ORIGINAL
SEMPRE QUE QUEREMOS VIVER COMO DEUS, nos afastamos da fonte da verdadeira felicidade e caminhamos nas trevas do erro
QUANDO QUEREMOS VIVER SEM DEUS sentimo-nos vazios, embora no início de uma falsa liberdade invada nosso coração frágil
QUANDO NÃO VIVEMOS SEGUNDO AS LEIS DE DEUS nós somos escravos de nós mesmos 

A KENÓSIS DE JESUS CRISTO
Kenosis é uma palavra grega que significa autoesvaziamento. Ela aparece só uma vez para indicar a atitude de Jesus ao abrir mão de sua divindade para fruir a plenitude da humanidade.
A prática kenótica de Jesus fica bem clara no sermão das Bem-aventuranças. Elas são o caminho da missão. Seguir Jesus na sua prática das Bem-aventuranças requer uma mudança interior. É a conversão ao Evangelho que nos leva à verdadeira ação missionária. Esta conversão exige de nós a pequenez de um coração pobre, humano e humilde
A palavra Batismo de origem grega, significa “mergulho”. limpa em nós a marca do “pecado das origens” , cujo fundamento é o seguimento de Jesus.
O Batismo imprime em nós a marca de Cristo, sinal que pertencemos a Ele para sempre.
           
O BATISMO É A PORTA DE ENTRADA, A INICIAÇÃO PARA O GRANDE MISTÉRIO DA VIDA NO ESPÍRITO: “é preciso nascer do Espírito” (Jo 3)
“Pelo Batismo, nós que somos oliveira brava, somos enxertados na oliveira cultivada que é Cristo” (Rm 11,11-17)

“Pelo Batismo fomos sepultados com Cristo em sua morte,  para que, como Ele foi ressuscitado dos mortos pela ação gloriosa do Pai, assim também nós vivamos uma vida nova” Rom. 6,4

“Portanto, se alguém está em Cristo é uma nova criatura. O que era antigo passou, agora tudo é novo” (II Cor 5,17)

“Pois, por meio da Lei eu morri para a Lei, a fim de viver para Deus. Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim” (Gl 2,19-20)

AS RENÚNCIAS QUE DEVEMOS FAZER EM TODA A NOSSA VIDA PARA SERMOS FIÉIS AO NOSSO BATISMO
Para viver na liberdade dos filhos de Deus, vocês renunciam ao pecado?
 Renuncio
Para viver como irmãos, vocês renunciam a tudo o que causa desunião?
Renuncio
            Para seguir Jesus Cristo, vocês renunciam ao demônio, autor e princípio do pecado?
Renuncio

Para que o homem foi criado: louvar, glorificar e servir a Deus

ASPECTOS ESSENCIAIS DO BATISMO
Dimensão da realidade nova na pessoa do batizado:
O batismo atinge a pessoa no intimo de seu ser. É o que a Igreja vem admitindo desde os primeiros séculos, ao considerar válido o batismo de crianças em perigo de morte.
A Sagrada Escritura refere-se a isso quando fala da “nova criatura” (II Cor 5,17), do “homem novo” (Rm 6,6), do “renascimento” (Jo 3,3), da “passagem das trevas para a luz” (I Pd 2,9), “do pecado à graça” (Rm 6,1-4), da ”filiação divina” (I Jo, 3,12-).

Dimensão do relacionamento pessoal com Deus
O sacramento do batismo é um momento de suma expressividade do relacionamento pessoal entre Deus e o homem em vista da Aliança. Concretiza, na linguagem perceptível dos sacramentos, a proposta de Deus e a resposta do homem. É no contexto desta dimensão pessoal dialogal que se coloca a opção fundamental do cristão, como um comprometimento profundo entre o homem e Deus em Jesus Cristo.

Dimensão comunitária
            O batismo é o sacramento da inserção no Corpo de Cristo, que é a Igreja, sacramento da salvação. A visibilidade de Cristo continua através da sacramentalidade da Igreja, pela qual a salvação é dada à humanidade. Por isso não se pode desvincular batismo e comunidade. O batismo incorpora o ser humano à comunidade da Igreja para fazê-lo explicitamente participante desta salvação e, pela sua vida em comunhão eclesial, ser sinal e instrumento de salvação no meio da humanidade. (Ef 2,22; I Pd 2,9)
Pelo Batismo formamos comunidade, fazemos parte da comunidade, vivendo a unidade e formando o povo de Deus. É VIVER A FÉ EM CRISTO EM COMUNIDADE.
A Igreja é a família dos batizados. Ninguém vive isolado. A vida comunitária é exigência do batizado. Para o batizado é norma a participação: missa, grupo, celebrações, catequese permanente, serviços na comunidade.
Toda relação existente entre batismo e pecado, batismo e fé, batismo e salvação, deve ser considerada  nesta tríplice dimensão.

ORAÇÃO
Obrigado Pai
Porque, em Jesus,
me chamaste “filho amado” 
e me acolheste com uma festa.
                        Ajuda-me a nunca perder
            a minha dignidade de filho amado,
            nem permitir  que as dificuldades
            da vida a obscureçam.
Quero crescer como “filho amado”
e avançar na vida seguro do Teu amor
e responder-lhe generosamente.
Obrigado Pai
porque SER teu filho amado
é a pérola mais preciosa que encontrei
no campo da minha vida.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

PENTECOSTES, VEM ESPIRITO SANTO, VEM !!!



 

PENTECOSTES (19/5/2013)

 

“De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num único Espírito, para formarmos um só corpo, e todos nós bebemos de um único Espírito” (I Cor 12,13)

 Celebrando hoje a Solenidade de Pentecostes, chegamos ao final do Tempo


Pascal na Liturgia. Consuma-se a missão de Jesus, pois o envio do Paráclito se realiza: “Mas o Defensor, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu Nome, ele ensinará tudo e vos recordará tudo o que vos tenho dito” (Jo 14, 26)


. É o TEMPO da Igreja, isto é, a missão HOJE é nossa: testemunhar até os confins da terra o amor e a salvação de Deus em Jesus Cristo (cf.At 1,8)


“O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rm 5,5)



“Ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor a não ser sob ação do Espírito Santo” (I Cor 12, 3b)

PENTECOSTES


      Assim como a Páscoa, o Pentecostes tem origem judaica:


      Na área rural, o povo judeu celebrava Pentecostes como a festa da colheita dos frutos da terra.


      Na cidade, passou a celebrar a entrega do Decálogo por Deus a Moisés.


     Deus oferece a base para a organização de um povo livre. O quinto mandamento coloca a vida como centro da Lei: defender e promover a vida


      No Cristianismo, a festa de Pentecostes é a entrega da Lei Nova para o Novo Povo de Deus: a Lei do Amor é o estilo de vida do povo da nova aliança.


      Para os judeus a Festa dava ênfase ao encerramento das sete semanas da festa da colheita.


      Para os cristãos, o fruto que colhemos da Páscoa de Jesus Cristo é o Espírito Santo. É O AMOR.


      Fecha-se o período de festa, com o fruto exclusivo: o Amor do Pai e do Filho derramado sobre nós: o Espírito Santo!


      Toda a nossa vida de cristãos está sob o sinal do Espírito que recebemos no batismo e na crisma, nosso Pentecostes; nela devemos amadurecer os “frutos do Espírito”: amor, paz, alegria, paciência, espírito de serviço, bondade, confiança nos outros, mansidão, autodomínio, etc.


       O Espírito Santo é quem atualiza a mística


      O Espírito Santo se faz oração em nós, reza conosco, envolve-nos no mistério de uma súplica ao Pai.


      Se estamos sob o peso do sofrimento, devemos nos unir ao gemido secreto que no fundo do nosso coração o Espírito Santo eleva ao Pai e repetir a oração de Cristo: “Abbá Pai!”


 

 

“É Ele que age nos corações e suscita mudanças de atitudes e comportamentos. É ainda o Espírito de Cristo que confere sua força à ação da Igreja, quer na pregação, quer na vida sacramentaria; é o Espírito Santo que dá a sabedoria e o discernimento verdadeiro sobre todas as coisas, ajudando-nos a fazer as escolhas acertadas.” (Cardeal Odilo Scherer)


       Afinal de contas, ainda esta pergunta inquieta o nosso coração: que linguagem é esta do Espírito, capaz de fazer com que todos compreendam? A linguagem do Espírito, que vem a fazer com todos compreendam, é a linguagem do amor, aquela linguagem por meio da qual os gestos concretos falam por si só e possuem o poder de ressurreição na vida dos outros.  A grande linguagem que o Espírito quer nos ensinar a falar é a linguagem do amor; só ela tem o poder de transformar tudo aqui que está dividido, fragmentado, caótico, em cada um de nós. O Espírito, com esta nova forma de falar e anunciar o Pai pelo Filho transformará tudo em nós, trazendo a nova ordem, a unidade pelo amor. No entanto, só falarão nesta nova linguagem aqueles/ aquelas que se decidirem pelo amor, frente a uma profunda abertura de suas vidas ao Paráclito.


      Portanto, só o que está uno, inteiro, organizado, curado, liberto, restaurado, pela ação do Espírito, é que terá condições de anunciar Jesus vivo e ressuscitado mediante nova linguagem que penetra todos os ouvidos e corações.


“Sem o Espírito Santo, Deus está distante.


O Cristo permaneceu no passado.


O Evangelho uma letra morta.


A autoridade um poder.


A Igreja uma simples organização.


A missão uma propaganda.


O culto um arcaísmo.


E a ação moral uma ação de escravos.”


      “Mas no Espírito Santo o cosmos é enobrecido pela geração do Reino. 


      O Cristo ressuscitado está presente.


      O Evangelho se faz força do Reino.


      A Igreja realiza a comunhão trinitária.


      A autoridade se transforma em serviço.


      A liturgia é memorial e antecipação.


      A ação humana se deifica.” (Atenágoras)



DOM DA SABEDORIA

A SABEDORIA tem mais a ver com o sabor do que com o saber.

Numa sociedade onde o número do suicídio aumenta de uma forma assustadora; onde cada vez mais se ouve: “A minha vida não tem sentido!” Nós, os cristãos, abrimo-nos ao DOM da SABEDORIA para aprender a saborear a vida, para saber discernir, desfrutar e agradar.

         O DOM da SABEDORIA consiste em reconciliar-se com a vida para assim ser sabor e sal da terra.

 Enviai, Senhor, o Vosso Espírito de SABEDORIA sobre todos nós, principalmente por todos os governantes dos povos, para que procurem a paz e o progresso


DOM DO ENTENDIMENTO ou DA INTELIGÊNCIA

Nós abrimo-nos DOM do ENTENDIMENTO para conhecer a verdade de Jesus Cristo e chegar ao mais profundo da sua mensagem e da sua pessoa. O DOM do ENTENDIMENTO leva-nos a chegar à conclusão que por detrás deste mundo maravilhoso existe um Deus Criador. É o Deus de Abraão, de Jacob e de Moisés que se revelou ao Povo de Israel e encarnou no meio de nós em Jesus Cristo, seu Filho.

Através do DOM da INTELIGÊNCIA reconhecemos a mão de Deus onde outros veêm apenas circunstâncias humanas; descobrimos que Ele é o nosso verdadeiro amigo e n´Ele podemos confiar, mesmo nos dias de angústia.

O Espírito ilumina a nossa mente e o nosso coração. Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus.

 Enviai, Senhor, o Vosso Espírito do ENTENDIMENTO sobre todos os que procuram a verdade e o sentido da vida, para que encontrem a resposta em Ti.


DOM DO CONSELHO

Necessitamos do Espírito que nos ensine a viver nas situações concretas da nossa vida, por isso abraçamo-nos ao DOM do CONSELHO.

A vida está feita de incidentes e cada um deles traz a sua complexidade e dificuldade. O DOM do CONSELHO é a sabedoria em ação, é o habituar-se a escuta a voz do Mestre, nas pequenas coisas da vida. Se estamos em sintonia com Ele, se nos deixamos guiar pelos seus conselhos vemos a luz. É Jesus Cristo que dá sentido à nossa vida, é Ele que, no meio das trevas da nossa vida, nos dá a Luz e nos dá a força suficiente para avançarmos sem medo.

 Enviai, Senhor, o Vosso Espírito do CONSELHO os responsáveis das Igrejas, para que avancem no caminho da renovação e da unidade.


DOM DA FORTALEZA

Já conhecemos o caminho, agora temos que o percorrer. Necessitamos que o Espírito nos dê força, valor, coragem, constância e perseverança.

Ao sentirmos esta força nova, sentimo-nos renovados interiormente e proclamamos ao mundo a nossa fortaleza, O Espírito vem em auxílio da nossa fraqueza, para não desanimarmos sob o peso das dificuldades e para prosseguirmos, com esperança e alegria, o nosso seguimento de Jesus Cristo.

 Enviai, Senhor, o Vosso Espírito da FORTALEZA sobre os que sofrem e lutam pela liberdade e justiça, para que se convertam em semente de libertação.

DOM DA CIÊNCIA

Nós abrimo-nos ao DOM da CIÊNCIA para que nos ensine a julgar retamente as coisas criadas e nos ajude a fazer nosso o dom da Criação.

O DOM da CIÊNCIA revela-nos a ordem da Criação e por contraste a desordem que é o pecado. Toda a Criação fala de Deus, porque foi Ele quem a criou.

Enviai, Senhor, o Vosso Espírito da CIÊNCIA sobre todos os que se dedicam ao estudo e à investigação, para que ponham ao serviço do homem os avanços.


DOM DA PIEDADE

A piedade é a virtude da família.

Abrimo-nos ao DOM da PIEDADE para nos sentirmos Filhos de Deus e tomarmos consciência que temos um mesmo Pai. O DOM da PIEDADE leva-nos a sentir a ternura, a admiração, o afeco e a obediência para com Deus. O Espírito leva-nos a tratá-Lo por: ABBÁ, Paizinho querido.

O DOM da PIEDADE é o dom da família que abre-se ao dom da fraternidade, até chegar a ser o dom da amizade com os que estão ao nosso lado e o dom da hospitalidade, principalmente, para com os que são rejeitados pela nossa sociedade.

Sejamos solidários uns para com os outros!

Enviai, Senhor, o Vosso Espírito da PIEDADE sobre todos os Teus filhos, especialmente pelos que trabalham no mundo da dor e da marginalização, para que sejamos testemunhas da Tua misericórdia.


DOM DO TEMOR DE DEUS

Este Dom não se trata de ter medo de Deus, mas de ter um grande medo de não o amarmos como convém. Somos impelidos a estar sempre insatisfeitos, procurando caminhar para a perfeição do amor.

Sem perder o privilégio da proximidade que recebemos pela Incarnação, temos que recuperar o sentido de respeito e adoração que deve marcar a nossa relação com Deus.

O DOM do TEMOR DE DEUS, bem entendido é o temor que acaba com todos os medos, pois Cristo é o Principio e o Fim e tudo Lhe está submetido

Vinde Espirito Santo e nos inunde com seus dons e que pela Vossa força em nós a face da terra seja renovada!!!