domingo, 23 de setembro de 2012

PRIMAVERA UMA ESTAÇÃO MARAVILHOSA (23/9/2012)


 
Veja: o inverno já passou!” (Ct 2,11)
 
 
 
PRIMAVERA UMA ESTAÇÃO MARAVILHOSA (23/9/2012)

 
Queridos irmãos e irmãs, a primavera chegou. Abra seu coração, pois Deus quer lançar uma semente dentro dele.

 



  Quando a Bíblia Sagrada foca esta estação colorida, nos passa grande lição. Diz que a vida, a beleza e o vigor da juventude, são coisas passageiras, e a Palavra de Deus é eterna: “Na verdade o povo é relva. Seca-se a relva e cai a sua flor; mas a palavra do nosso Deus permanece para sempre” - Isaías 40. 7 b – 8).
        O livro Cântico dos Cânticos focaliza a primavera. Nele, temos um dos mais belos romances do Antigo Testamento retratado através da antiga poesia oriental. Encontramos belos versos falando sobre o amor de Salomão pela noiva Sulamita e vice-versa. O livro mostra o relacionamento puro deles, tão puro que é alçado ao nível do amor de Cristo pela Igreja.
       O sentimento correspondido de ambos é algo que os torna sensíveis e leves, torna seus olhos comuns em olhos mais aguçados e preparados para capturarem os detalhes mais sublimes e belos que o Criador fez: “Aparecem as flores na terra; chegou o tempo de cantar; e já se ouve o arrulhar da rolinha em nossa terra. A figueira começa a dar os seus primeiros figos; as vinhas estão em flor e espalham as suas fragrâncias...” (Ct 2.12-13).
          Não é por acaso que a fase do apogeu do ser humano, quando a força e a beleza estão no seu ápice, é chamada de “a flor da idade”, inclusive o livro de Salmos, capítulo 1, ao nos dizer que seremos bem-aventurados quando frutificarmos na estação certa.
         A primavera é a mais linda das quatro estações. É a época da poesia, é quando Deus distribui flores para todos nós!

 
 
   Ao cantar dos pássaros devemos nos lembrar da Providência Divina: Não se vendem dois pardais por uma moedinha? No entanto nenhum cai no chão sem o consentimento de vosso Pai. Vós valeis mais do que muitos pardais” (Mt 10, 30.31) .

Que nos “invernos” de nossa vida, quando sentimos que o frio das dificuldades, das amarguras querem nos consumir aproveitemos o reverdecer das plantas e deixemos nosso coração abrasar-se pela Palavra de Deus que nos fortalece e inundemos a nossa vida de radiante esperança: “pois uma arvore tem esperança; mesmo que a cortem tornará a brotar, e não faltarão os seus ramos. Se envelhecer na terra a sua raiz e morrer o seu tronco no pó, ao cheiro da água rebrotará e produzirá folhagem como planta nova” (Jó 14, 7-8)

 

        Que o Mestre de Nazaré nos inspire a nas turbulências, preocupações e correria da vida, tenhamos a coragem de parar e admirar a natureza como Ele fazia:Olhai os pássaros do céu ...olhai os lírios do campo” (Mt 6, 26.28)




Peça ao Senhor a chuva de primavera, pois, é o Senhor quem faz o trovão, quem manda a chuva e lhes dá as plantas do campo. (Zc 10,1)
 
Que na graça e benção do Senhor da Vida,
haja sempre primavera em seu coração!



  
 
 
  Deixe germinar a semente do amor, da paz, da fraternidade... Um grande abraço...Feliz Primavera...

 
Diác. Flori

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

INTRODUÇÃO À LEITURA DA BÍBLIA



 

UMA IDÉIA CENTRAL PARA CADA UM DOS LIVROS SAGRADOS

ANTIGO TESTAMENTO
A LEI

Gênesis: Origens do Universo e nascimento de um Povo
Êxodo: Da escravidão à liberdade
Levítico: Um Povo santo para o Senhor
Números: Em marcha para a terra prometida
Deuteronômio:
A Aliança, presente e compromisso. A “segunda Lei”. A Lei que fala ao “coração”

OS LIVROS HISTÓRICOS

Josué: Uma conquista lenta e difícil
Juízes:
Os líderes carismáticos de Israel

Rute: Uma antepassada estrangeira do Messias
I e II Samuel: A criação de um reino para o Senhor
I e II Reis: Da glória à ruína
I e II Crônicas: O Povo eleito relê sua história
Esdras e Neemias: Do exílio à pátria
Tobias: Um modelo de família que crê.

Judite: A coragem de uma mulher

Ester: As situações que se revertem. Uma súplica que chega aos céus
I e II Macabeus: A luta pela liberação nacional

OS LIVROS SAPIENCIAIS OU DIDÁTICOS
Jó: O sofrimento dos justos e a justiça de Deus
Salmos: o louvor e a súplica e um povo

Provérbios: Máximas sapienciais para a vida

Eclesiastes: A vaidade das coisas terrenas
Cântico dos Cânticos: o mais belo canto de amor

Sabedoria: O diálogo entre duas culturas
Eclesiástico: Um tratado de moral judaica

OS PROFETAS: AS COLEÇÕES PROFÉTICAS

Isaías: A fé no meio dos acontecimentos
Jeremias: O anúncio de uma Nova Aliança. Uma crítica mordaz contra a idolatria

Lamentações: Um Povo que chora suas culpas
Baruc: ã conversão pelo arrependimento.
Ezequiel: Um coração novo e um espírito novo
Daniel: Os impérios humanos e o Reino de Deus. O canto das criaturas


Oséías: O amor fiel e apaixonado de Deus por seu povo
Joel: A chegada do dia do Senhor
Amós: Em favor da justiça social
Abdias: A reação violenta de um profeta.
Jonas: Uma religião sem fronteiras
Miquéias: Contra os abusos dos opressores do povo
Naum: A queda de um império
Habacuc: A resposta de Deus à queixa de um profeta
Sofonías: O "Resto" fiel dos "pobres do Senhor”.
Ageu: A reconstrução do Templo e da Comunidade
Zacarias: Visões simbólicas e anúncios messiânicos
Malaquias: Um culto divino renovado

NOVO TESTAMENTO

OS EVANGELHOS

Mateus: o cumprimento das profecias
Marcos: Quem é Jesus?
Lucas: A Boa Nova anunciada aos pobres
João: O Caminho, a Verdade e a Vida
Atos dos Apóstolos: O "evangelho" do Espírito Santo

AS CARTAS APOSTÓLICAS: PAULINAS

Aos Romanos: A justificação pela fé em Jesus Cristo
I
aos Coríntios: O crescimento e a crise de uma comunidade
II aos Coríntios: Uma carta polêmica e confidencial
Aos Gálatas: A liberdade cristã
Aos Efésios: o mistério de Cristo e da Igreja
Aos Filipenses: A alegria que nasce da fé
Aos Colossenses: A preeminência absoluta de Cristo
 I Aos Tessalonicenses: A esperança ativa do cristão
II Aos Tessalonicenses: O risco de evadir-se do mundo
I a Timóteo: Diretivas e recomendações pastorais

II a Timóteo: O testamento espiritual do Apóstolo
A Tito: Instruções sobre o governo da Igreja
A Filemon: Em favor de um escravo fugitivo
Aos Hebreus: O Sacerdócio e o Sacrifício da Nova Aliança


AS CARTAS APOSTÓLICAS: "CATÓLICAS"
De São Tiago: As obras próprias da fé

I de Pedro: Uma catequese batismal

II de Pedro: À espera do "Dia do Senhor"
I, II e III De João: Exortação a viver na verdade e no amor
De Judas: Prevenção contra os falsos mestres
O Apocalipse: O triunfo definitivo do Reino de Deus

 







terça-feira, 4 de setembro de 2012

SETEMBRO: MÊS DA BIBLIA - 2012

                                                                                                             

 
“Não cesseis de falar deste Livro da Lei. Medita nele dia e noite, para que procures agir de acordo com tudo o que nele está escrito. Assim farás prosperar teus caminhos e serás bem-sucedido” (Js 1,8)

 

            Seguindo a exortação do próprio Livro Santo precisamos sempre aprofundar sua leitura e seus ensinamentos, e por mais que o lemos e meditemos nunca vamos chegar a esgotá-lo, pois não é um simples Livro, mas fala de VIDA. Da VIDA de um povo e sua experiência de Deus. Portanto, a Bíblia não é um fim em si mesma, mas quer nos revelar a face de um Pai Amoroso e Providente  para que entendamos que somente Nele encontramos refúgio.

            Devemos tomar consciência que a Bíblia é uma carta de amor cujo remetente é DEUS e o destinatário é VOCÊ. É um dos lugares privilegiados para fazer uma experiência de Deus. Na oração falamos a Ele e na Bíblia O escutamos. Mas... Atenção: é um dos lugares privilegiados, pois a Comunidade e a Eucaristia também são de suma importância e onde também Deus está presente, pois a Bíblia é um Livro escrito em mutirão, e é na Comunidade que deve ser entendida e vivenciada.

            Ignorar as Sagradas Escrituras é ignorar Jesus Cristo” (São Jerônimo)

            A importância da Sagrada Escritura encontramos nela mesmo: II Tm 3,16-17: “Toda Escritura foi inspirada por Deus e é útil para ensinar, para argumentar, para corrigir, para educar conforme a justiça. Assim a pessoa que é de Deus estará capacitada e bem preparada para toda boa obra”

            Nos seus mais de 2000 anos, a Igreja que berçou, conservou e transmitiu a Bíblia sempre a teve como fonte de vida, por isso todos os dias é dia da Bíblia, mas para que possa ser mais enfatizada e realçada, a Igreja dedica um mês em especial.

            POR QUE SETEMBRO?

Por que este mês celebramos a festa litúrgica de São Jerônimo, o grande tradutor da Bíblia.

O Papa Dâmaso I, 36º sucessor de Pedro, pediu a Jerônimo que traduzisse a Bíblia do hebraico, aramaico e grego para o latim, o idioma da população na época, isso em 381 de nossa era.

Jerônimo, um dos homens mais sábios de seu tempo, atendeu ao pedido. Esta tradução chamou-se “Vulgata”, que quer dizer “vulgo” isto é, “do povo”. A realização deste trabalho durou 35 anos, norteado por muita oração e jejum, numa gruta em Belém. 

Jerônimo morreu em 420. Ele é o padroeiro de todos os leitores e estudiosos da Bíblia. Sua festa é dia 30 de setembro, quando se celebra o Dia da Bíblia.

COMO NASCEU O MÊS DA BÍBLIA?
           O Mês da Bíblia surgiu em 1971, por ocasião do cinquentenário da Arquidiocese de Belo Horizonte, Minas Gerais. Foi levado adiante com a colaboração efetiva do Serviço de Animação Bíblica – Paulinas (SAB), até posteriormente ser assumido pela Conferência dos Bispos do Brasil (CNBB) e estender-se ao âmbito nacional.

         E desde então todos os anos é feito um estudo de um livro da Bíblia, ou parte dele

         A proposta para o mês de setembro de 2012 é o estudo do Evangelho segundo Marcos associada ao Projeto nacional de Evangelização: O Brasil na missão Continental.       

         Este projeto foi elaborado pela América Latina após a Conferência de Aparecida e reassumido pela Assembléia dos Bispos do Brasil em 2011.

        O Evangelho segundo Marcos foi escolhido em sintonia com o ano Litúrgico que estamos vivenciando, o qual, juntamente com o Projeto Nacional de Evangelização, nos ajudará a revisitar os escritos da Comunidade de Marcos, percorrendo os cincos aspectos fundamentais do processo de formação do discípulo missionário: o encontro com Jesus Cristo, a convenção, o discipulado, a comunhão fraterna e a missão.

            O tema escolhido pela Comissão Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) é: Discípulos Missionários a partir do Evangelho de Marcos, e o lema é: Coragem!Levanta-te!Ele te chama! É a expressão presente na narrativa da cura do cego Bartimeu em Mc 10,49. È um texto relevante em Marcos, que nos mostra cada etapa do processo de discipulado e de seguimento de Jesus Cristo.
Com esse projeto da CNBB e o aprofundamento do Mês da Bíblia, damos um novo passo na nossa ação evangelizadora, em continuidade com as ricas experiências e conquistas da Animação Bíblica no Brasil, que tem por objetivo proporcionar a todos os batizados uma experiência mais profunda da fé cristã, possibilitando um encontro pessoal com Jesus Cristo vivo e, por ele, com o Pai, no Espírito Santo.

        
A Bíblia é Palavra não de um imperador ou de um sábio ou de um historiador. É PALAVRA DE DEUS.

Se Deus aparecesse na praça, e fosse distribuindo folhetos com mensagens, não sairíamos de casa, correndo para aquela praça, para receber aqueles folhetos?

É o que acontece com a Bíblia. Ali é Deus que se comunica conosco, comigo, com você, com todos. Por isto amamos a Bíblia. Mais, temos veneração, paixão pela Bíblia, e a colocamos em lugar de honra.

Quando rezamos, falamos com Deus. Quando lemos a Bíblia, é Deus que fala conosco.

Ter um lugar de honra para colocar a Bíblia é importante, mas o mais importante é ler, refletir, guardar e viver seus ensinamentos.

Que o mês de setembro sirva de estimulo para tenhamos não um mês da Bíblia, mas que em todos os dias aprofundemos no estudo do texto sagrado.

            Tomara que você possa cada vez amar a Palavra de Deus, pedindo as luzes do Espírito Santo que possa compreendê-la cada vez melhor, para poder vivê-la.

            A leitura da Sagrada Escritura, deve ser acompanhada de oração, para que seja possível o colóquio entre Deus e o homem” (Dei Verbum)

            A oração seguinte vai como sugestão:

 
Meu Senhor e meu Pai!
Envia Teu Santo Espírito para que eu compreenda e acolha Tua Santa Palavra!
Que eu Te conheça e Te faça conhecido; Te ame e te faça ser amado; Te sirva e Te faça ser servido; Te louve e Te faça ser louvado por todas as criaturas.

Faz, ó Pai, que pela leitura da Palavra, os pecadores se convertam, os justos perseverem na graça, e que todos tenhamos Vida e Vida em abundância (Jo 10,10).
Amém!