sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

QUARTA FEIRA DE CINZAS (22/2/2012)

Lembras-te que és pó e ao pó voltarás” (Gn 3,19)

A Quarta Feira de Cinzas marca o inicio da Quaresma. É um dia especialmente penitencial, em que manifestamos o nosso desejo pessoal de conversão. 

            A imposição das cinzas nos recorda que nossa vida na terra é passageira e que a definitiva se encontra no céu.

ORIGEM

Antigamente os judeus costumavam cobrir-se de cinzas quando faziam algum sacrifício como desejo de conversão de uma vida distante de Deus para uma vida com Deus.

            Desde o ano 384 d.C. a Quaresma adquiriu um sentido penitencial e desde o século XI, a Igreja inicia a Quaresma com a imposição das Cinzas para motivar os cristãos a viverem os 40 dias que se seguem em penitência e conversão, isto é, desejo de aproximar-nos sempre mais do projeto do Pai.

            As Cinzas são obtidas das palmas bentas no Domingo de Ramos do ano anterior que são queimadas. Os fiéis a recebem na cabeça em forma de cruz, para recordar que a glória terrena de reduz a nada. A benção e a imposição têm lugar na Celebração Eucarística ou da Palavra depois da homilia.

As fórmulas e imposição das Cinzas se inspiram na Sagrada Escritura: Gn 3, 19 e Mc 1, 15, e podem ser: “Concede-nos, Senhor, o perdão e faz-nos passar do pecado à graça e da morte à vida”; “Recorda que é pó e ao pó voltarás”; “Convertei-vos e crede no Evangelho”

ATITUDE:

A conversão é voltar-se para Deus, valorizando as realidades terrenas sob a luz infinita da Verdade, e assim tomar consciência de que estamos de passagem nesta terra e que devemos trabalhar até que o Reino de Deus se instaure no nosso meio e triunfe a justiça
            Ao nos aproximarmos da imposição das Cinzas expressemos com humildade e sinceridade de coração que desejamos nos converter e crer fielmente no Evangelho  

AS CINZAS
1) A cinza é símbolo de conversão:  fazer uma troca positiva nas atitudes com respeito a Deus e ao próximo.
            2) A cinza é símbolo de nossa fragilidade e limitação humana e ter consciência de que morreremos, e assim aproveitar nossa vida para fazer deste mundo um lugar mais humano, mais justo e mais cristão.
3) Receber as cinzas é um ato pessoal e voluntário  que se realiza sob a graça e misericórdia de Deus.
4) Recebe-se em uma celebração comunitária, porque é toda a Igreja quem intensifica neste período seu estado de conversão e purificação.

JEJUM E ORAÇÃO
Orar é colocar-se na presença de Deus para receber Sua graça e Seu amor e o jejum favorece esta abertura de coração. Este é um modo de pedir perdão a Deus por havê-Lo ofendido, e dizer-Lhe que queremos mudar de vida.
            A Quarta Feira de Cinzas e Sexta Feira santa são dias de jejum e abstinência.  
O jejum consiste em fazer uma só refeição ao dia e a abstinência é deixar de comer carne.
A conversão aponta para três direções:
a) A abertura para Deus pela escuta da Palavra, oração pessoal e familiar; participação mais ativa e frequente à Eucaristia e ao sacramento da Reconciliação.
b) A abertura aos irmãos e irmãs pela esmola que é antes de tudo a caridade fraterna, compreensão, amabilidade e perdão.
c) O jejum que é o autocontrole, a busca de um equilíbrio em nossa escala de valores, renúncia às coisas supérfluas, sobretudo se seu fruto resulta em ajuda
aos mais necessitados.
            Por isso a Quaresma não é um fim em si mesma, mas a grande meta da Quaresma é a Páscoa - festa central do cristianismo, ponto alto do ano litúrgico.
            Desejo que viva uma Santa Quaresma, para celebrar a Vida Nova da Páscoa em plenitude!
                                 Diác. Flori

Nenhum comentário:

Postar um comentário