quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

2012: A GRAÇA DE DEUS RENOVADA!



 Mais um ano! Mais uma oportunidade que o Senhor nos concede para novos planos, para vivermos a Sua Graça!
         1º de janeiro: DIA MUNDIAL DA PAZ:educação é uma
aventura fascinante.

          Todos os anos o Santo Padre envia ao mundo a sua mensagem de esperança e paz. A mensagem do Papa Bento XVI para o 45º Dia Mundial da Paz é dedicada este ano ao tema “Educar os jovens para a justiça e para a paz”. O tema escolhido aborda “uma questão urgente no mundo de hoje: escutar e valorizar as novas gerações na realização do bem comum e na afirmação de uma ordem social justa e pacífica, na qual possam ser plenamente manifestados e realizados os direitos e liberdades fundamentais do ser humano”.
     Desde sua eleição em abril de 2005, Bento XVI escolheu como temas para a celebração anual do dia 1º de Janeiro, a verdade, a dignidade da pessoa, a unidade da família humana, o combate contra a pobreza, o meio ambiente e a liberdade religiosa.
         A proposta de dedicar à Paz o primeiro dia do novo ano não tem a pretensão de ser qualificada como exclusivamente religiosa ou católica. Antes, seria para desejar que ela encontrasse a adesão de todos os verdadeiros amigos da Paz, como se se tratasse de uma iniciativa sua própria. “A Igreja católica, dizia então Paulo VI, com intenção de servir e de dar exemplo, pretende simplesmente lançar a idéia, com a esperança de que ela venha não só a receber o mais amplo consenso no mundo civil, mas que também encontre por toda a parte muitos promotores audazes, que imprimam ao Dia da Paz, um caráter sincero e forte, de uma humanidade consciente e liberta dos seus tristes e fatais conflitos bélicos, que quer dar à história do mundo um futuro mais feliz, ordenado e civil".
     Para alguns de nós, a paz é uma realidade quotidiana. As nossas ruas são seguras e os nossos filhos vão à escola. Quando se vive tranquilo, os preciosos dons da paz quase passam despercebidos. Mas, para um número demasiado elevado de pessoas, no mundo de hoje, esses dons não passam de um sonho irrealizável. Vivem prisioneiras da insegurança e do medo.
         
 Na sua mensagem para o Dia Internacional da Paz 2012 “EDUCAR OS JOVENS PARA A JUSTIÇA E A PAZ”, Bento XVI convida a olhar o 2012 com uma atitude de confiança, mesmo se no último ano “cresceu o sentido de frustração por causa da crise que aflige a sociedade, o mundo do trabalho e a economia”.  Quase parece que um manto de escuridão teria descido sobre o nosso tempo, impedindo de ver com clareza a luz do dia. O Papa se dirige diretamente aos jovens na convicção de que eles podem, com o seu entusiasmo e idealismo, oferecer uma nova esperança ao mundo.
         Depois de recordar a necessidade de “educar à liberdade e verdade” Bento XVI reafirma que “não são as ideologias que salvam o mundo, mas unicamente o voltar-se para o Deus vivo que é amor. E que mais nos poderia salvar senão o amor?”. O Pontífice convida então a olhar com mais esperança para o futuro e lança enfim um forte apelo aos jovens: “não se deixem tomar pelo desânimo diante das dificuldades nem se abandonem a falsas soluções, que frequentemente se apresentam como o caminho mais fácil para superar os problemas. Não tenham medo de se empenhar, de enfrentar a fadiga e o sacrifício. A Igreja confia em vocês, acompanha-os, encoraja-os e deseja oferecer-lhes o que tem de mais precioso: a possibilidade de levantar os olhos para Deus, de encontrar Jesus Cristo – Ele que é a justiça e a paz”.
       
 O Papa apela à construção de “uma sociedade de rosto mais humano e solidário”, sublinhando que “não se pode sacrificar a pessoa para alcançar um bem particular, seja ele econômico ou social, individual ou coletivo”.
        A educação para a paz deveria ser ação inata do cristão, pois por Jesus somos uma família reconciliada. Devemos levantar os olhos para Deus, como interroga o salmista:
«Levanto os olhos para os montes, de onde me virá o auxílio? » (Sal 121, 1). A todos, particularmente aos jovens, quero bradar: « Não são as ideologias que salvam o mundo, mas unicamente o voltar-se para o Deus vivo, que é o nosso criador, o garante da nossa liberdade, o garante do que é deveras bom e verdadeiro (…), o voltar-se sem reservas para Deus, que é a medida do que é justo e, ao mesmo tempo, é o amor eterno. E que mais nos poderia salvar senão o amor? ». O amor rejubila com a verdade, é a força que torna capaz de comprometer-se pela verdade, pela justiça, pela paz, porque tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta (cf. 1 Cor 13, 1-13).
    “Quando o homem se crê um ser absoluto, que não depende de nada nem de ninguém e pode fazer tudo o que lhe apetece, acaba por contradizer a verdade do seu ser e perder a sua liberdade”, alerta Bento XVI.
      Segundo o Papa, “o homem, para exercer a sua liberdade, deve superar o horizonte relativista e conhecer a verdade sobre si próprio e a verdade acerca do que é bem e do que é mal”.
         E hoje, que também celebramos Maria, Mãe de Deus, sejamos guiados pelas suas mãos. Que Ela nos conduza pelos caminhos de Seu Filho bendito, na construção da Paz e Fraternidade Universal.
A todos (as) catequistas e familiares desejo que com a proteção dessa Mãe querida, todos tenhamos um abençoado Ano Novo, em que possamos conviver e amar, assim como somos amados por Deus.
Diác. Flori


Nenhum comentário:

Postar um comentário